Para Penny, de 2012

17.10.18

Essa é uma resposta para uma carta que escrevi para mim mesma em 2012. Se quiser lê-la, clique aqui.

Olá, Penny (de 2012).

Tenho que dizer que nunca esqueci essa carta, mas não me lembrava do que estava escrito. Consegui segurar a ansiedade de reler e ver o que mudou durante esse tempo. E agora, depois de ler, tomei um choque de realidade ao perceber o quanto a minha vida (a sua vida) mudou DEMAIS e continua mudando a cada ano. Nós duas somos seres extremamente mutáveis.
Primeiramente, o mundo não acabou em 2012. Na verdade eu não me lembrava dessa teoria, mas sempre querem acabar com o mundo de alguma forma...
Vamos lá, partindo do ponto em que você escreveu a carta: Você concluiu o curso de Ciência da Computação, sem DPs e com um prêmio de melhor aluna do semestre no ano de 2013, se não me engano, mesmo chegando atrasada em todas as aulas a partir da metade do terceiro ano de faculdade. E por quê? Porque você começou a trabalhar no lugar que você sempre sonhou: a IBM.
Você entrou na IBM e aprendeu muita coisa por lá. Porém não se adaptou à pressão e tudo mais e pediu demissão de lá em 2015.
Após a IBM, você trabalhou em outra empresa de TI onde fez muitos amigos os quais você mantém até hoje.
Em 2016, você decidiu que queria crescer na carreira, e não via essa oportunidade morando no interior, por isso, em 2017, você se mudou para Santo André (Acredita? Você finalmente voltou para lá!) e começou a trabalhar em São Paulo. Isso deu um "up" na sua carreira, mas você ainda não está satisfeita: você sempre quer mais. Isso não mudou, né?
No momento atual, você está tentando entrar em uma empresa de games. Aquele sonho que você tinha não mudou depois de todos esses anos, e você está muito empenhada em conquistá-lo.
A Nininha tinha 6 anos quando você me escreveu a carta... Que lindinha! Sim, hoje ela tem 12 anos, e está muito bem! Está super saudável, preguiçosa e gordinha kkkk
Essa pessoa que você namorava foi o seu segundo namorado em um saldo de cinco. Esse não durou muito, mas a realidade é que nenhum durou muito porque você não consegue ficar em um relacionamento onde não vê futuro. E você enxerga isso consideravelmente rápido. Nenhum namoro nosso durou mais de 1 ano, mas todos os relacionamentos te ensinaram grandes lições e hoje, com 25 anos, você sabe que deve procurar a paz em primeiro lugar. E o amor é consequência.
A vias de curiosidade, você está solteira no momento, mas já teve um relacionamento no começo do ano (o quinto e último). E você está muito bem consigo mesma, em paz, e aproveitando esse momento para se dedicar integralmente aos seus objetivos pessoais e profissionais (que não são poucos).
Esse plano que você tinha de fazer faculdade de Letras foi descartado em meados de 2013, eu acho... Mas você o substituiu pelo que você mais ama: a arte. Seu foco está sendo em computação gráfica, e você se dedica a vários cursos relacionados a isso e a programação no geral. Você está desenvolvendo um jogo para celular no momento junto com o Rafa. Estamos nos dedicando para que esse projeto dê certo...
E mesmo com essa faculdade sendo descartada, seu amor pela escrita não morreu. Você ama toda forma de arte, e por isso hoje em dia você fala 3 idiomas e está aprendendo o quarto. E além de tocar violão, hoje em dia você também toca piano e brinca bem com o ukulele. E você morre de vontade de aprender a tocar gaita para fazer um blues...
Você ainda escreve qualquer coisa que venha à mente, e talvez por isso esse blog ainda exista (embora eu não poste mais com frequência).
Sobre nossos pais, eles estão super bem. Seu pai está aposentado e sua mãe não trabalha mais. Eles vivem bem, e a casa do interior ainda é nossa, embora você não more mais lá hoje. A casa foi sim reformada, todo o interior dela mudou totalmente, exceto a cozinha. O seu quarto era lindo e você amava. Estou falando essa parte no passado porque, como disse, você não mora mais lá, e seu quarto não existe mais. Mas você gosta muito do seu quarto em Santo André.
Você ainda não viajou para o exterior, mas tem ideias de fazer isso a médio prazo. Não apenas viajar, eu diria...

E, finalmente, respondendo a sua principal pergunta ao final da carta: SIM. Eu sou feliz. E quando não estou feliz, eu procuro entender os motivos e fazer tudo o que posso para mudar isso. Nós somos felizes, Penny, e temos objetivos para buscar satisfação total em todos os sentidos da vida.
Tenho muito orgulho de quem você era em 2012, e de toda a evolução pela qual você passou até agora. E sei que vamos evoluir e aprender muito mais daqui 6 anos.
Será que a Penny de 2023 vai poder nos contar como tudo estará?

Com amor,
a Penny de 2018.

Changes

4.5.18


I still don't know what I was waiting for

And my time was running wild
A million dead-end streets
Every time I thought I'd got it made it seemed the taste was not so sweet...

Esse mês faz 1 ano que eu estou morando num apartamento com a minha mãe, numa cidade em que eu sonhava voltar desde o dia em que eu saí aos prantos, com 8 anos. Foram 14 anos morando num lugar que eu não gostava, mas acompanhando a minha família... o que faz parte da dependência que temos quando somos crianças. Mas eu sempre tive muitas ideias, muitas vontades. E muitas delas não mudam enquanto eu não as realizo. E aí tudo muda novamente.
Eu sou um ser completamente mutável. Mas será que não somos todos?
O que muda, talvez, seja só o medo da mudança...

So I turned myself to face me
But I've never caught a glimpse
Of how the others must see the faker
I'm much too fast to take that test

Então lá estava eu, com 23 anos, pensando em todas as coisas da minha vida e o que me fazia continuar ali onde eu estava: num emprego que era bom, mas o salário e o aprendizado não satisfazia as minhas necessidades profissionais no momento, morando num lugar que eu, honestamente, não gostava desde sempre... sem um relacionamento promissor ou qualquer amarra que me prendesse a tudo aquilo. Então... por que não mudar TUDO?

Ch-ch-ch-ch-Changes... Turn and face the strange
Ch-ch-Changes... Don't want to be a richer man
Ch-ch-ch-ch-Changes... Turn and face the strange
Ch-ch-Changes... Just gonna have to be a different man
Time may change me... But I can't trace time

Foi aí que eu decidi que mudaria: Desde emagrecer alguns quilos que não me faziam feliz até mudar de cidade, de emprego, a cor do cabelo, tudo... Tudo o que eu queria profundamente. Voltei para a cidade que eu adorava, trabalhei na cidade que eu sempre quis, conheci lugares, conheci um estilo de vida totalmente novo, e ao qual eu me adaptava finalmente... Sabe o que é você se sentir a vida toda que não se encaixa em canto algum e de repente parece que tudo começa a entrar nos eixos?
Foi aí que eu descobri que o céu é realmente o limite. Mas faltava algo...

I watch the ripples change their size
But never leave the stream
Of warm impermanence and
So the days float through my eyes
But still the days seem the same

Uma mudança só é boa quando não é uma fuga, e sim um complemento para o seu momento atual ser pleno. E até que ponto aquela minha mudança era só um complemento?
Só eu sabia outros conflitos que se passavam dentro da minha mente e do meu coração, então posso afirmar que isso era um misto das duas coisas: um complemento sim, mas também não deixava de ser uma fuga de conflitos internos. E aí, quando parei para aceitar isso tudo, fui entender que lugares não vão mudar o que está dentro de nós se as coisas não estão muito bem.
Mas eu podia lidar com isso. Eu ia lidar com isso.
Porque nós nunca sabemos a força que temos até sermos colocados à prova.

And these children that you spit on
As they try to change their worlds
Are immune to your consultations
They're quite aware of what they're going through

Foi encarando de frente todos os fantasmas do meu passado que eu também tive uma mudança gigantesca dentro de mim, como ser humano, reflexo de muitas coisas que passei e me levaram praticar a fundo o auto-conhecimento. 
Não foi fácil. Muitas vezes eu chorei procurando respostas e aos poucos as fui encontrando... Fiz um trabalho enorme dentro de mim... comecei a praticar meditação, a entender melhor como a minha cabeça funcionava, o que eu sentia e por que sentia, compreender como a cabeça dos outros funciona para compreender também suas atitudes tentando ao máximo não julgar ninguém... ter mais empatia, encontrar definitivamente a minha espiritualidade, me conectar com o meu eu, que, no fim das contas, é tudo o que eu tenho essencialmente.
E hoje, 1 ano depois, ao olhar para trás e ver quanta coisa mudou, eu me orgulho imensamente de toda essa trajetória que era necessária para a minha evolução - espiritual, profissional, etc... E agradeço por cada coisa - boa e ruim - que passei, pois tudo isso fez eu me tornar a pessoa que sou hoje (frase clichê, mas só quem já passou por mudanças grandes sabe o peso enorme que ela tem).

Eu mudei de cidade, de emprego, de casa, de cor do cabelo... mas a maior mudança - a mais estratosférica e importante -, foi dentro de mim, como ser.

Um Olá Depois de 1 Ano

23.1.18

Ahoy!
Eu sumi daqui. Eu sei.
Mas 2017 foi incrível. Tão cheio de mudanças, todas maravilhosas, cada uma agregou algo essencial na minha vida.
Eu gostaria de listar tudo o que aconteceu aqui agora, mas não farei isso no momento porque vai ter uma postagem especial para isso. E, na verdade, ela é muito mais do que especial.
Em 2012 eu escrevi uma carta para a minha "versão" de 2018. 6 anos se passaram... Eu nem sabia se esse blog ainda existiria quando 2018 chegasse... nem sabia se eu existiria ainda (mas sempre acreditei que sim kkkk)... Escrevi todas as minhas expectativas de vida naquele ano, como estava a minha vida e o que eu esperava que acontecesse e não li nunca mais. Juro, não me lembro quais eram as minhas expectativas, mas tenho certeza que eu não esperava nada do que aconteceu todo esse tempo.
Estou ansiosa para reler a carta e respondê-la aqui. Mas farei isso no momento certo, e o momento não é hoje. Mas vai ser logo, prometo.

É isso, por enquanto.
E Feliz 2018 super atrasado ;)

Maiti.
 
© Ultraviolence - 2014. Todos os direitos reservados.
"Listen to the silence, let it ring on."
imagem-logo